Sou mais as loiras

Sempre fiz parte daqueles que deixam a WTA em segundo plano, isso é muito claro nos assuntos dos meus posts. Os jogos me entediam, os campeonatos idem, a qualidade das tenistas também. Mas nem sempre foi assim. Antes de Clijsters e Henin se aposentarem, eu era a presidente do fã-clube Bélgica. Principalmente contra as Williams.

Não, eu não acho que as Williams transformaram o tênis feminino em pura pancadaria. Sim, elas trouxeram um nível de força ao jogo nunca antes visto, mas as duas são extremamente técnicas. Qualquer uma gostaria de ter o saque delas, por exemplo. (inclusive alguns homens…)

O que me irrita um pouco nas Williams é o comportamento meio arrogante delas. Aham, eu não sei separar o pessoal do profissional, okay. Mas, para mim, isso é importante para ter minha torcida. O fascinante de seguir um atleta não é só admirar sua performance, mas se identificar com as emoções que ele sente em quadra. E eu nunca senti isso pelas Williams, tampouco por Maria Sharapova e Ana Ivanovic, duas das queridinhas dos últimos anos.

Sharapova e Ivanovic são belas tenistas (nos dois sentidos), mas claramente se deslumbraram com a popularidade e, quando acordaram, o trem já tinha passado. Voltar ao número 1 é quase impossível, ganhar outro Grand Slam então, nem se fala.

Escrevi tudo isso para chegar nas três personagens da WTA nessa semana. Kim Clijsters e Caroline Wozniacki, as melhores do ano, e Elena Dementieva, que anunciou sua aposentadoria aos 29 anos, ainda no top 10.


O jogo da Dementieva era feio, apesar de eficiente para uma péssima sacadora. Seu potente forehand era muito bonito de se ver, mas as suas constantes decepções em quadra e sua expressão desesperada para a mãe me fizeram torcer cada vez mais por ela. Vai entender. Talvez porque eu sou corintiana e gosto de sofrer.

Dementieva é uma campeã olímpica. Isso ninguém pode apagar e, na minha opinião, algo tão valioso quanto um Grand Slam. Apesar de ser considerada uma musa, sempre se manteve discreta e com classe. Nunca usou isso para aparecer mais do que as outras. A elegância de só contar que deixaria as quadras após o último jogo, evitando meses de homenagens e chororô, mostra o quanto Lena, no fim das contas, tem a cabeça no lugar muito mais do que parecia em quadra.

Porém, quando se trata de alguém que você só conhece pelas telas, é sempre bom ter um pé atrás. Até que Dementieva publica em seu site a carta da Bárbara, jornalista carioca do blog Fierce Tennis. Um gesto de campeã olímpica.

Vejo esse mesmo espírito em Kim Clijsters (que felizmente voltou) e Caroline Wozniacki. Com mais talento. No caso da belga, muito mais talento. Duas grandes competidoras, que não fazem pouco da WTA.

Eu não sou contra as tenistas se retirarem de alguns torneios, preservando seu físico. A própria Clijsters fez isso neste ano. Mas não entra na minha cabeça como a Serena sofre uma lesão que a deixa fora por seis meses e fica a cada torneio anunciando que vai jogar, para sair na última hora. Enfim, pode ser uma reação mais emocional do que racional, mas eu gostei do Masters sem elas, de ver Kim e Carol na decisão. Na WTA, eu sou mais as loiras.

 

 

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Torneios WTA

Uma resposta para “Sou mais as loiras

  1. Clijsters hoje: “This may be disappointing for Caroline, but she has a great future”. Isso me fez lembrar que a Clijsters levou dois anos (e uma contusão) entre chegar ao #1 e ganhar um GS.

    Às vezes a WTA parece mais gostável mesmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s